domingo, 22 de maio de 2011

Mudanças internas e a confusão que isso pode causar.

Nos últimos dias, ligeiramente descontente com algumas coisas, dei início a uma crise existencial.
Pequena, discreta... Mas que foi suficiente para fazer algum barulho. E afetar minha rotina.

Sem me aprofundar em maiores detalhes sobre a tal da crise, o que posso afirmar é que, pra mim, livrarias são um ótimo remédio.
Daí que hoje me aproveitei da proximidade física entre a Livraria Cultura e eu, e pequenos incidentes de percursos que me deixaram mais susceptível a reflexões, e me aventurei por entre as prateleiras muito bem organizadas, e gozei do direito de me sentar nas poltronas e pufs espalhados por lá, para ler vários trechos de livros, com títulos interessantes, e que me parecessem pertinentes ao meu humor.

Após uma rápida passagem pela literatura brasileira, e estrangeira, fui aos outros andares onde me dediquei, carinhosamente, a observar cada seção, por mais desconexos que os temas fossem com a minha realidade.

Relembrei livros que li há muito tempo, confirmei minha admiração pela filosofia e ciência política.
Me admirei com algumas informações esotéricas que eu desconhecia, e redescobri minha afinidade pelos estudos psicológicos, e analíticos.

De Descartes à Freud... Fui me encontrando em frases isoladas, de assuntos variados.
me deparei com informações desde "Leoninas são mulheres dedicadas, mas diante da indiferença, reagem com frigidez." o.O Até lições de "como aproveitar melhor sua mente, e anular os ensinamentos que tivemos na infância, e nos bloqueiam atualmente, impedindo um maior rendimento intelectual perante a sociedade". =x

E, se digo que fui me encontrando, não é por ter achado, objetivamente, a solução para meus impasses... Mas, ler sobre assuntos diversos, e reafirmar que existe um mundo infinito de coisas, fora de mim, milhões de teorias, estudos, opiniões, me faz encarar de forma mais tranquila esse ciclo repetitivo de crises que é a vida.

E a vida é assim. Chega um dia em que nos perguntamos certas coisas que parecem não ter resposta.
Sentimos falta de algo que nem sabemos (ainda) o que é...
Ou quando sabemos, não podemos obter por não depender só de nós.
Ou ainda, nos recusamos a admitir o que queremos, por um motivo qualquer...

Diariamente, lidamos com sentimentos confusos.
E a grande questao é: Como lidar com isso??
Simples não é. Tampouco fácil. Mas também não é impossível.
São apenas fases, que passam, e são imprenscindíveis para nossa formação como pessoa.

Por vezes sou surpreendida com emoções que, sorrateiras, se instalam e eu só me dou conta quando lidar com suas consequências, é inevitável. Ou por mudança de objetivos, e de personalidade, que, gradativamente vão ocorrendo... Sempre permitindo que eu me adapte as diversas situações da vida, e possibilitando que eu lute para realizar meus e planos, e saiba identificar melhor meus desejos.

E, enfim, posso dizer que descobri hoje que, muito mais do que ouvir conselhos, saber aproveitar todo o material intelectual disponível por aí para compreender quem você é, de fato, é a oitava maravilha do mundo.
Ou, ao menos, uma das maravilhas da minha vida.


P.S. Uma pessoa não é apenas o que ela aparenta. É também todo o mundo que ela carrega. (:

Um comentário:

Diego Segura disse...

Quanto mais penso mais acredito que as pessoas possuem mais conteúdo, variáveis e até divisões do que aquela biblioteca inteira...