quarta-feira, 28 de julho de 2010

"Quem não se dedica se complica"

Estou verdadeiramente tentando deixar a preguiça de lado para escrever sobre minha ida a Oca (Na exposição de corpos humanos), mas ainda não consegui. =/

E até queria/poderia escrever sobre coisas que pululam minha mente neste momento. Mas acredito que seja bem melhor não escrever nada.
Hoje estou, incansavelmente, lendo letras do teatro mágico, cheia de analogias e um tanto afoita (por falta de palavra melhor, mas talvez seja isso mesmo), e quando isso acontece, não escrevo bem. Bom, só escrevo quando estou assim, na verdade. Daí a certeza que se eu trabalhasse com escrita, dependeria de algo duvidoso para ganhar dinheiro. O meu humor. E isso não seria bom. E eu nunca gosto mto do que eu escrevo mesmo, exceto meus 2 (orgulho) trabalhos de filosofia, que são raras exceções. Ops. Eu sei, to confusa e desconexa (e redundante, Ráá!)... Por isso não gosto dos textos advindos dos momentos de humores indefinidos.

Bem, mas não foi pra falar sobre meu humor que comecei a escrever. Tava preguiçosamente pela internet, com a genuína intenção de pesquisar sobre umas matérias da facul, mas acabei em conversas diversas (ok, eu já sabia que ficaria no msn tb), blogs de pseudo-filósofos/poetas, e descobrindo um mundo novo denominado Twitter, e me deparei com um texto do Arnaldo Jabor.
Sei lá, vi verdades nas linhas, humor nas entrelinhas, e esperava que houvesse exageros, e, exceto pela facilidade da tal mulher sair com qualquer um e a todo momento, não houveram. Mas fato é que achei útil. Resolvi coloca-lo aqui, para evitar de escrever besteira, o que não evitou, já que o que era pra ser um "leiam o texto, achei útil!" se transformou em uma introdução com trezentas linhas de inutilidades. Mas ta aí, espero que alguém goste.
~ ~ ~
EVITE SER TRAÍDO - Arnaldo Jabor

Às amigas e amigos modernos: não deixem de ler.
Para as mulheres, uma verdade! Para os homens, a realidade!

Você, homem da atualidade, vem se surpreendendo diuturnamente com o "nível" intelectual, cultural e, principalmente, "liberal" de sua mulher, namorada etc...
Às vezes sequer sabe como agir, e lá no fundinho tem aquele medo de ser traído - ou nos termos usuais - "corneado". Saiba de uma coisa... Esse risco é iminente, a probabilidade disso acontecer é muito grande, e só cabe a você, e a ninguém mais, evitar que isso aconteça - ou então - assumir seu "chifre" em alto e bom som.
Você deve estar perguntando por que eu gastaria meu precioso tempo falando sobre isso. Entretanto, a aflição masculina diante da traição vem me chamando a atenção já há tempos. Mas o que seria uma "mulher moderna"?

A principio, seria aquela que se ama acima de tudo, que não perde (e nem tem) tempo com/para futilidades, é aquela que trabalha porque acha que o trabalho engrandece, que é independente sentimentalmente dos outros, que é corajosa, companheira, confidente, amante... É aquela que às vezes tem uma crise súbita de ciúmes, mas que não tem vergonha nenhuma em admitir que esteja errada e de correr pros seus braços... É aquela que consegue ao mesmo tempo ser forte e meiga, desarrumada e linda...
Enfim, a mulher moderna é aquela que não tem medo de nada nem de ninguém, olha a vida de frente, fala o que pensa e o que sente, doa a quem doer...

Assim, após um processo "investigatório" junto a essas "mulheres modernas" pude constatar o pior.
VOCÊ SERÁ (OU É?) "traído", ao menos que:

- Nunca deixe uma "mulher moderna" insegura. Antigamente elas choravam. Hoje elas choram, mas depois disso simplesmente traem, sem dó nem piedade.

- Não ache que ela tem poderes "adivinhatórios". Ela tem de saber da sua boca - o quanto você gosta dela. Qualquer dúvida neste sentido poderá levar às conseqüências expostas acima.

- Não ache que é normal sair com os amigos (seja pra beber, pra jogar futebol) mais do que duas vezes por semana, três vezes então, é assinar atestado de "chifrudo". As "mulheres modernas" dificilmente andam implicando com isso, entretanto, elas são categoricamente "cheias de amor pra dar" e precisam da "presença masculina". Se não for a sua meu amigo... Bem...

- Quando disser que vai ligar, ligue, senão o risco dela ligar pra aquele ex, bom de cama é grandessíssimo.

- Satisfaça-a sexualmente. Mas não finja satisfazê-la. As "mulheres modernas" têm um pique absurdo em relação ao sexo e, principalmente dos 30 aos 38 anos, elas pensam - e querem - fazer sexo TODOS OS DIAS (pasmem, mas é a pura verdade)... Bom, nem precisa dizer que se não for com você...

- Lhe dê atenção. Mas principalmente faça com que ela perceba isso. Garanhões maus (ou bem) intencionados sempre existem, e estes quando querem são peritos em levar uma mulher às nuvens. Então, leve-a você, afinal, ela é sua ou não é????

- Nem pense em provocar "ciuminhos" vãos. Como pude constatar, mulher insegura é uma máquina colocadora de chifres.

- Em hipótese alguma a deixe desconfiar do fato de você estar saindo com outra. Essa mera suposição da parte delas dá ensejo ao um "chifre" tão estrondoso que quando você acordar, meu amigo, já existirá alguém MUITO MAIS "comedor" do que você... Só que o prato principal, bem... Dessa vez é a SUA mulher.

- Sabe aquele bonitão que você sabe que sairia com a sua mulher a qualquer hora? Bem... De repente a recíproca também pode ser verdadeira. Basta ela, só por um segundo, achar que você merece... Quando você reparar... Já foi.

- Tente estar menos "cansado". A "mulher moderna" também trabalhou o dia inteiro e, provavelmente, ainda tem fôlego para - como diziam os homens de antigamente - "dar uma", para depois, virar de lado e simplesmente dormir.

- Volte a fazer coisas do começo da relação. Se quando começaram a sair viviam se cruzando em "baladas", "se pegando" em lugares inusitados, trocavam e-mails ou telefonemas picantes, a chance dela gostar disso é muito grande, e a de sentir falta disso então é imensa. A "mulher moderna" não pode sentir falta dessas coisas... Senão... Bem amigos, aplica-se, finalmente, o tão famoso jargão "quem não dá assistência, abre concorrência e perde a preferência".
Deste modo, se você está ao lado de uma mulher de quem realmente gosta e tem plena consciência de que, atualmente o mercado não está pra peixe (falemos de qualidade), pense bem, antes de dar alguma dessas "mancadas"... Proteja-a, ame-a, e principalmente, faça-a saber disso. Ela vai pensar milhões de vezes antes de dar bola pra aquele "bonitão" que vive enchendo-a de olhares... E vai continuar, sem dúvidas, olhando só pra você!!!

"Quem não se dedica se complica."

4 comentários:

André disse...

Acho que a "mulher moderna" do Jabor mais parece "mulher retrógrada". Ela faz apologia à vingança, igualando assim suas atitudes às inicialmente obersavadas e reprovadas do marido. Ela também parece surpresa e frustrada, demostrando que na verdade não sabia muito bem com quem estava se casando. Por fim, questiona-se se ela soube edificar o lar (o que também poderiamos questionar ao marido), pois tanto ela como o marido foram buscar "refugio" do lado de fora.
Atribuir culpa ou justificar um erro com outro alheio é característica costumeira no ser humano. Ser "bom" é dificil, mas ser "ruim" é refugio dos covardes e gananciosos.
À mulher do Jabor eu diria "a mim me pertence a vingança, eu é que retribuirei, diz o SENHOR" e também diria "vence o mal com o bem" (RM12:19-21). Ao marido eu diria "amai vossa mulher como a Cristo amou a igreja e deu sua vida por ela..." (EF.6:25).
Enfim... entre falar e fazer há uma longa distância. Acho que a teoria todos conhecem.

Pam~~* disse...

Ah, obviamente, que a resposta feminina (ou masculina) a tais ações não precisa (e nem deve) ser traição. Mas acho que dá pra compreender que ele demonstra que hoje em dia alguem quem não se sente valorizado, ou ve algo errado/estranho em situações cotidianas, não responde com resignação.
Mas essa análise literal tb é boa...

Diego Segura disse...

Eu acho três coisas:
1- A mulher moderna que ele descreve não existe. Esse espírito de liberdade feminina até existe, mas ele sempre entra em contradição com o romantismo da mulher e o resultado são mulheres ou independentes demais (leia-se solteironas amarguradas) ou carentes demais (leia-se grudentas). A descrição que ele faz é boa, mas esse meio termo é raro.
2- Não existe justificativa pra essas traições, pois se o relacionamento não está bom, e ela é tão independente, largue e ponto.
3- Adorei sua introdução... ;)

Anônimo disse...

Parece bom, eu gosto de ler o seu blog, apenas adicionei aos meus favoritos;)